21 de julho de 2017

A construção de um bom relacionamento









O mundo anda mal das pernas, isso sabemos bem, basta olhar os jornais. Mas não é porque o mundo vai mal, que devemos nos comportar como seres sem educação sentimental. E por isso eu escrevi esse texto, pensando em como nos ajudar a vivermos saudáveis em família, pois é no ceio da família que achamos conforto quando o referido mundo que anda mal das pernas, nos trata mal. E a primeira coisa que quero ressaltar fala sobre doação. 

1- O amor que nos dispomos a dar.

Dentro de um relacionamento, pra ele ser saudável, precisa existir comprometimento mútuo, seja entre irmãos, pais e filhos ou conjugues, essas pessoas precisam estar dispostas a doarem algo pela qual são comprometidas, e esse algo chama-se amor. E dentro da palavra amor, destacamos várias outras, como compreensão, o saber ouvir e falar nas horas certas, o respeito, carinho, tudo isso faz parte do amor, e cada um de nós dentro da família deve exercer essa doação um para com o outro sem reservas. E se existe uma fórmula muito fácil de amar alguém, é lembrando que também temos defeitos e também precisamos ser amados. E a construção de um bom relacionamento (firme, bem edificado, com fundamentos fortes), começa quando doamos nosso amor a quem também nos doa amor. Reparem que hoje não estou falando do amor a um desconhecido completo, falo do amor em família, que deve permear nossa vida em todas as instâncias. E eu te pergunto hoje: "Quanto amor você está disposto a dar?". Será que você não tem brigado demais por coisas supérfluas? Será mesmo que algumas discussões precisam acontecer? Ou será que em silêncio e resiliência, não podemos ser misericordiosos?  A Misericórdia é a marca indelével de quem ama e deseja construir um futuro cheio de relacionamentos equilibrados. Pense nisso. E de posse deste pensamento, eu quero falar da segunda coisa que é necessária para a construção de um bom relacionamento que é:  


2- A comunicação que nos dispomos a ter. 

As vezes nós dizemos tantas coisas nas redes sociais, postamos fotos parecendo felizes, com legendas dizendo amar nossa família, nossos conjugues, nossos filhos, mas nem sempre isso reflete nossas atitudes e nosso interior. Infelizmente vivemos hoje em uma sociedade que aparenta ser muitas coisas que não é, e o meu conselho, junto com uma pregação que ouvi da Helena Tanure, (deixo o link https://youtu.be/0ZpFFFaNQds) em que ela diz: "não aparente ser, seja!". A comunicação entre quem se ama é fundamental. Seja sincero sobre seus sentimentos e sobre o que você pensa, diga o que lhe incomoda, o que lhe faz feliz, diga que ama ao vivo, converse, converse, converse, conte seus sonhos para quem te ama, conte seus segredos, não tenha segredos para quem te ama, seja totalmente sincero. Não esconda o que te deixa triste ou o que te deixa furioso (a), sente-se e converse, esteja disposto a se comunicar com quem te ama, com quem você ama, poste sim sobre seu amor, mas ame primeiro ao vivo. Um bom relacionamento não se constrói sem comunicação. E isso nos leva ao terceiro e último tópico que eu quero abordar, que é: 

3- O quanto estamos dispostos a ceder.  

A construção de um bom relacionamento depende de sabermos abrir mão, principalmente do nosso ego, ceder pra que o outro esteja em primeiro lugar, em lugar de honra em nossa vida. Ceder, não é demonstrar ter o poder maior, ceder é dizer a quem você ama: "eu honro você". Honre seus pais, seu conjugue, seus filhos, ceda quando ninguém quiser ceder, mesmo estando "certo", prefira amar a estar certo, prefira ceder, quando cedemos algo, o ciclo se completa, é como doar amor àquele que ainda não entende como ceder, ceder a quem não sabe ceder, é ensinar, e ensinar é doação. 



Postar um comentário