21 de agosto de 2017

Uma história de Max Lucado, que fez toda diferença na minha vida


O livro se chama: "Seis horas de uma sexta-feira"

"Capítulo 1 

Prenúncios de um furacão 

Fim-de-semana prolongado no começo de setembro de 1979. Por todos os Estados Unidos, as pessoas despediam-se do verão. Reuniões de fim de semana, viagens para acampar, piqueniques. 

Exceto em Miami. 

Enquanto o resto do país se divertia, a Costa Dourada do sul da Flórida vigiava. O furacão Davi turbilhonava através do Caribe, deixando uma trilha de ilhas alagadas e gente desabrigada. 

Não é preciso dizer aos floridianos que se escondam quando um furacão está em pé de guerra. Janelas foram vedadas com fita isolante, alimentos enlatados comprados, lanternas testadas. Davi estava prestes a dar o bote. 

No rio Miami, um grupo de rapazes solteiros tentava descobrir qual a melhor maneira de proteger sua casa flutuante. Não passava de uma cabine rústica numa barcaça furada. Mas era a casa deles. E se nNao fizessem algo, ela iria parar no fundo do rio. 

Nenhum dos rapazes havia morado em barco antes, e muito menos enfrentado um furacão. Qualquer lobo do mar digno desse nome teria dado boas gargalhadas observando aqueles marinheiros de primeira viagem. 

Aquilo parecia a reprise de uma comédia marítima. 
Eles compraram corda o bastante para amarrar o navio Queen Mary. Amarraram o barco a árvores, ao ancoradouro, a si próprio. Quando terminaram, a pequena embarcação parecia ter sido apanhada em uma teia de aranha. Estavam t
ao ocupados amarrando-a a tudo, que é de admirar um dos rapazes não ter sido amarrado junto.
   Como foi que fiquei a par de tamanho fiasco? Adivinhou. A casa flutuante era minha.
Não pergunte o que eu fazia com uma casa flutuante. Parte aventura e parte pechincha, eu acho. Mas aquele fim de semana prolongado era uma aventura maior do que eu me havia disposto a enfrentar. Fazia três pagamentos mensais que o barco era meu e agora estava prestes a ter de sacrificá-lo ao furacão! Eu estava desesperado. Amarrar! era tudo em que conseguia pensar.
    Eu chegava ao fim da corda, em mais de um sentido, quando Phil apareceu. Ora, Phil entendia de barcos. Tinha até mesmo cara de quem entendia de barcos.
     Creio que ele já nascera queimado de sol dentro de um barco. Falava o jargão e conhecia os problemas. Também conhecia furacões. Corria  boato pelo rio de que ele havia enfrentado um deles por três dias num barco a vela de mais de três metros. Essa história fazia desse homem uma lenda viva.
      Ele sentiu pena de nós, por isso veio dar um conselho... e conselho bem fundado. "Amarrem-no à terra e se arrependerão. essas árvores vão ser engolidas pelo furacão. Sua única esperança é ancorar fundo", disse ele. "Coloquem quatro âncoras em quatro locais diferentes, deixem a corda frouxa e orem para que dê certo."
       Ancorar fundo. Bom conselho. Aceitamos e... bem, antes que lhe diga se vencemos ou não o furacão, falemos de pontos de ancoragem.
       Talvez algum dos meus leitores esteja prestes a ser apanhado numa tempestade. O tempo está ameaçador, o nível da água sobe e pode-se ver as árvores começando a curvar-se.

             Você fez todo o possível, mas mesmo assim seu casamento não se mantém. É apenas questão de tempo. 
             Você deu um passo maior do que as pernas. Jamais deveria ter concordado em aceitar um compromisso desses. Não há como possa terminar dentro do prazo. E quando esse prazo se esgotar e você não produzir o esperado...
              Você passou a semana toda com medo dessa reunião. Já mandaram embora diversos homens. Por que o diretor mandou dizer agora que quer falar com você? E você tem um recém-nascido em casa. 
      Talvez os ventos já se tenham transformado num vendaval e você mal esteja conseguindo manter-se vivo. 
              "Por que o nosso filho?" são as únicas palavras que você consegue pronunciar. O enterro terminou e as palavras de conforto já foram ditas cortesmente. Agora é apenas você, suas lembranças e sua pergunta: "Por que aconteceu comigo?"
               "Os testes foram positivos. O tumor é maligno." Logo quando você pensava que a luta maior havia terminado. Agora essa notícia. 
                "Eles aceitaram o outro lance." Essa venda era sua última esperança. Perder a licitação pode significar que você terá de fechar a firma. Esse cliente teria sido apenas suficiente para manter o negócio à tona por mais um trimestre. Mas e agora? 
      Tudo isso são ondas que sugam a nossa alegria para o mar. Ventos que arrancam nossas esperanças pelas raízes. Enchentes que penetram por baixo das portas de nossas vidas e cobrem as paredes de nossos corações. 
       Fui apanhado num furacão quando concluía este capítulo. O alerta veio através de um telefonema durante uma reunião. A moça do tempo que me deu as notícias assustadoras era a minha esposa. "Max, sua irmã acabou de ligar. Sua mãe vai ser operada para colocar quatro pontes de safena amanhã às oito horas." Algumas chamadas rápidas para as companhias aéreas. Roupas jogadas numa mala. Uma corrida ao aeroporto em tempo de conseguir o último lugar no último vôo. 
        Não houve tempo para desenvolver uma filosofia pessoal sobre a dor e o sofrimento. Não houve tempo para analisar o mistério da morte. Não houve tempo para lançar âncoras. Houve tempo apenas para ficar firme e confiar nos pontos de ancoragem.
        Pontos de ancoragem. Rochas firmes profundamente submersas num alicerce s olido. Não opiniões pessoais ou hipóteses negociáveis, mas evidências férreas que o manterão à tona. Qual a força das suas? Qual a robustez de sua vida quando você se depara com uma destas três tempestades?
        Futilidade. Você está por cima e subindo cada vez mais. Devia sentir-se satisfeito, alegre. Está realizando o que se propôs a realizar. Tem casa. Emprego. Segurança. Tem dois carros na garagem e dinheiro investido no banco. Pelo que todos podem avaliar, devia estar contente. 
      Então, porque você sente-se tão infeliz? É por saber que toda maré que sobe também desce? É porque seu diploma e promoção não respondem às perguntas que o mantêm acordado à noite? "Para que é isso, afinal de contas?" "Quem saberá o que eu fiz?" "Quem se importa com quem eu sou?" "Qual o propósito de tudo isso"
       Fracasso. Você já não consegue esconder. Pôs tudo a perder. Você estava errado. Desapontou todo mundo. Em vez de projetar-se, desapontou. Em vez de dar um passo para diante, deu um para trás. Fez precisamente aquilo que jurou jamais fazer. 
     Suas âncoras se arrastam pela areia, sem encontrar nenhuma rocha. Caso um ponto sólido não seja encontrado logo, o casco de seu coração se espatifará. 
      Fim. A cena se repete milhares de vezes a cada dia neste país. Pessoas reunidas diante de um caixão. Lenços. Lágrimas. Palavras. Flores. Terra. Túmulo aberto. É a onda do fim da vida. 
     Embora ela tenha atingido a praia inúmeras vezes, você nunca achou que o acertaria., mas foi o que aconteceu. Sem convite e sem aviso, ela o golpeou com força irresistível, levando embora sua mocidade, sua inocência, sua companheira, seu amigo. E agora você está ensopado e tremendo, sem saber o que virá a seguir. 
                    Futilidade,
                          fracasso, 
                                fim. 
    Você não precisa enfrentar esses momentos sozinho. Ouça o conselho de Phil. É bem fundado, tanto dentro quanto fora da água: Ancore fundo. "
     

continua no próximo post. 

   
  






Postar um comentário