22 de agosto de 2017

Uma história de Max Lucado, que fez toda diferença na minha vida - continuação


        "Este livro examina três pontos de ancoragem. Três grandes pedras que podem enfrentar qualquer tempestade. Três rochas que repelem a mais alta das ondas. Três saliências nas quais você pode enganchar suas âncoras. Cada ponto de ancoragem foi implantado firmemente em alicerce rochoso dois mil anos atrás por um carpinteiro que alegava ser o Cristo. E foi tudo feito no decorrer de um único dia. Uma única sexta-feita. Foi tudo feito durante seis horas de uma sexta-feira.

       Para o observador casual, nada nada houve de extraordinário durante essas seis horas. Para eles, aquela sexta-feira foi uma sexta-feira normal. Seis horas de rotina. SEis horas do que já estava sendo esperado. 
         Seis horas de uma sexta-feira. 
         tempo suficiente para: 
           um pastor examinar seus rebanhos. 
           uma dona de casa limpar e organizar sua casa. 
           um médico receber um bebê do ventre da mãe e baixar a febre  de um moribundo. 
         Seis horas. Das nove da manhã às três da tarde. 
         Seis horas de uma sexta-feira. 
         Seis horas cheias, como são todas as horas, do ministério da vida. 

      O sol luminoso do meio-dia reina nos céus da Judéia. Ao longe vê-se a silhueta negra de uma pastor em, perto de seu rebanho. Ele tem os olhos fixos no céu limpo, em busca de nuvens. Não há nenhuma.
      Ele volta o olhar para seus carneiros. Estes pastam preguiçosamente na encosta pedregosa. Um sicômoro ocasional fornece sombra. O pastor senta-se na encosta e põe uma folhinha de capim na boca. Olha além do rebanho para para a estrada lá embaixo. 
       Pela primeira vez nos último dias, o número de pessoas diminuiu. Por mais de uma semana um rio de peregrionos correu por esse vale, agitando-se estrada abaixo com animais e carros lotados. Durante dias ele os observou de onde estava empoleirado. Embora não os pudesse ouvir, sabia que falavam uma dezena de dialetos diferentes. E embora nNao lhes falasse, sabia aonde se dirigiam e porquê. 
       Dirigiam-se a Jerusalém. E iam sacrificar cordeiros no templo. 
       Ocorre-lhe que a celebração é irônica. Ruas superlotadas de gente. Mercados cheios dos sons de balaio de cabritos e da venda de pássaros. 
        Observâncias sem fim. 
        O povo se delicia com festividades. Acorda cedo e deita-se tarde. Encontra estranha satisfação na pompa. 
        Ele não. 
        Que tipo de Deus seria apaziguado pela morte de um animal?
        Oh, as dúvidas do pastor jamais são expressas em alguma parte, exceto na encosta dos montes. Mas nesse dia, elas gritam. 
        Não é a matança de animais que o perturba. É a infinidade de tudo. Quantos anos ele já viu as pessoas irem e virem? Quantas caravanas? Quantas sacrifícios? Quantas carcassas sangrentas? 
        Lembranças o perseguem. Lembranças de raiva descontrolada... de desejo descontrolado... de ansiedade descontrolada. Tantos erros. Tantos tropeços. Tanta culpa. Deus parece muito distante. Cordeiro após cordeiro. Páscoa após Páscoa. Contudo, ele ainda sente-se o mesmo. 
        O pastor volta a cabeça e olha novamente para o céu. Será que o sangue de mais um cordeiro realmente importará? 
        A esposa está sentada na mesa. É sexta-feira. Ela está a sós. Seu marido, um sacerdote, encontra-se no templo. É hora do almoço, mas ela está sem apetite. Além disso, mal vele a pena fazer o esforço de preparar a refeição para um. Assim, ela se deixa ficar sentada e olha pela janela. 
        A rua estreita na frente da casa está apinhada de gente. Se ela fosse mais moça, estaria lá fora. Mesmo que não tivesse  motiva para sair às ruas, iria. Houve um tempo em que sentia-se grisalho, seu rosto enrugado e ela sente-se cansada. 
        Durante anos celebrou as festas. Durante anos observou as pessoas. Muitos verões se passaram, levando consigo sua mocidade e deixando apenas as perplexidades que a obcecam. 
        Quando era moça, estava ocupada demais para refletir desta maneira. Tinha filhos a criar, refeições a preparar, horários a cumprir. Ela afastava da mente os enigmas da mesma forma como afastava para a nuca os cabelos. Mas agora seu lar está vazio. Aqueles que dela precisavam têm outros que precisam deles. Agora as perguntas são implacáveis. Quem sou? De onde vim? Aonde estou indo? Por que está acontecendo tudo isto? 

      Dentro daquela casa há muita agitação. Num aposento, um homem anda de cá para lá. Em outro, uma mulher faz força. Gotas de suor brilham em sua testa. Seus olhos se fecham, depois abrem-se. Ela ri, depois geme. O jovem médico a encoraja. "Não falta muito. Não desista." Inspirando profundamente, ela se inclina para a frente e emprega sua última gota de energia. A seguir, vira o rosto para o lado, pálida e exausta. 
-Você tem um filho- Ela ergue a cabeça apenas o suficiente para ver o bebê vermelho aninhado nas palmas largas do médico. 
    Encantado com sua tarefa, o médico limpa os olhos do bebê e sorri ao vê-los lutando por abrir-se. A criança, recém acolhida do ventre, é devolvida à mãe. 
    Na próxima casa que ele visita reina a quietude. Fora do quarto está sentada uma esposa de cabelos brancos. Dentro, encontra-se o frágil vulto do marido, ardendo em febre. Nada pode ser feito. O médico está impotente enquanto o homem exala seu último suspiro. Suspiro profundo - o peito ossudo, nu, se ergue. A boca escancara-se tanto que os lábios ficam esbranquiçados. O homem morre. 
    As mesmas mãos que limparam os olhos do bebê agora fecham os olhos do morto. Tudo durante um período de seis horas de uma sexta-feira. 
    Ele repele as perguntas. Não tem tempo para ouvi-las hoje. Mas elas são teimosas e exigem ser ouvidas. 
    Por que curar os doentes apenas para adiar a morte?
    Por que dar forças apenas para vê-las esvaírem-se?
    Por que nascer e então começar a morrer?
    Quem aponta o dedo torto à próxima vítima da morte?
    Quem é essa que com assiduidade tão regular separa a alma do corpo?
    Ele dá de ombros e coloca o lençol sobre o rosto que vai ficando acinzentado.
    Seis horas de uma sexta-feira. 
    Para um observador indiferente, as seis horas são rotineiras. Um pastor com suas ovelhas, uma dona de casa com seus pensamentos, um médico com seus pacientes. Mas para o punhado de testemunhas, o mais extraordinário dos milagres está ocorrendo. 
     Deus está numa cruz. O criador do universo está sendo executado. 
     Saliva e sangue empastam seu rosto. Oa lábios estão rachados e inchados. Espinhos retalham o couro cabeludo. Os pulmões gritam de dor. Caimbras dão nós em suas pernas. Nervos estirados ameaçam romper-se enquanto a dor tange sua melodia mórbida. Contudo, a morte não está pronta. E não há ninguém para salvá-lo, porque ele está sacrificando a si mesmo. 
      Não são seis horas normais... não é uma sexta-feira qualquer. 
      Muito pior do que o quebrar do seu corpo é o dilacerar de seu coração. 
      Seus próprios conterrâneos clamaram por sua morte. 
      Seu próprio discípulo plantou o beijo da traição. 
      Seus próprios amigos correram para esconder-se. 
      E agora seu próprio Pai está começando a voltar-lhe as costas, deixando-o sozinho. 
      Alguém balança a cabeça e pergunta: Jesus, você nem pensa em se salvar? O que o faz ficar ai? O que o prende à cruz? Pregos não prendem deuses a madeira. O que o faz ficar aí? 


      O pastor , em pé, olha fixamente o céu que agora está enegrecido. Segundos atrás ele havia fitado o sol. Agora não há sol algum. 
      O ar está fresco. O céu, negro. Nenhum trovão. Nenhum relâmpago. Nenhuma nuvem. As ovelhas estão inquietas. A sensação é sinistra. O pastor, em pé. sozinho, conjetura e escuta. 
       O que é essa escuridão amedrontadora? Que significa esse eclipse misterioso? O que aconteceu com a luz? 
       Há um grito na distância. O pastor volta-se para Jerusalém. Um soldado, inconsciente de que seu impulso faz parte de um plano divino, enterra a lança no lado do corpo de um homem pendurado em uma cruz. O sangue do cordeiro de Deus sai e purifica. 
      A mulher mal acabou de acende a lâmpada quando o marido entra apressado pela porta. O reflexo da chama da lâmpada dança alucinado em seus olhos arregalados. "O véu do templo...", principia ele ofegante. "Rasgado! Rompido em dois de alto a baixo!"
     Um anjo negro paira sobre aquele que está na cruz do meio. 
     Não houve delegação para essa morte, nenhum demônio pera esse dever. Satanás reservou para si mesmo essa tarefa. Jubilosamente, ele passa sua mão de morte sobre esses olhos de vida. 
     Mas assim que o último suspiro é exalado, começa a guerra. O abismo da terra ribomba. O jovem médico quase perde o equilíbrio. 
     É um terremoto - um tremor de terra que fende as rochas. Uma vibração semelhante à do estouro de uma boiada, como se as portas da prisão se tivessem aberto e os cativos estrondejem rumo à liberdade. O médico luta para manter o equilíbrio ao apressar-se de volta ao quarto daquele que acabou de falecer. 
      O corpo sumiu. 
    Seis horas de uma sexta-feira. 
    Permita que lhe faça uma pergunta: O que você faz com esse dia da história? O que você faz com as alegações dele?
    Se realmente aconteceu... se Deus realmente comandou sua própria crucificação... se realmente voltou as costas ao próprio Filho... se realmente arrombou o portal de Satanás, então essas seis horas daquela sexta-feira foram cheias de trágico triunfo. Se aquele era Deus naquela cruz, então o monte chamado Caveira é um granito cravado de estacas às quais você pode se ancorar. 
    Aquelas seis horas nNao foram seis horas normais. Foram as horas mais críticas da história. Pois durante aquelas seis horas naquela sexta-feira, Deus cravou na terra três pontos de ancoragem sólidos o bastante para suportar qualquer furacão. 
    Primeiro ponto de ancoragem - Minha vida não é inútil. Esta rocha segura o casco do seu coração. Sua única função é dar-lhe algo a que possa agarrar-se quando defrontar com as marés enchentes da futilidade e do relativismo. Essa rocha proporciona a convicção de que a verdade existe. Há alguém no controle e eu tenho um propósito. 
   Segundo ponto de ancoragem - Meus fracassos não são fatais. Não é que ele ama o que você fez , mas ama quem você é. Você é dele. Aquele que tem o direito de condená-lo forneceu uma forma de livrá-lo. Você comete erros. Deus não. E ele criou você. 
   Terceiro ponto de ancoragem - Minha morte não é final. Existe mais uma pedra à qual devo amarrar-me. Ela é grande. É redonda. E é pesada. Ela bloqueou a entrada de um túmulo. NNao era, contudo, suficientemente grande. A tumba que ela selava era a tumba de alguém que estava de passagem. Ele apenas entrou a fim de provar que podia sair. E quando saiu, levou consigo a pedra e a transformou num ponto de ancoragem. Deixou-a cair no fundo das águas desconhecidas da morte. Amarre-se a essa rocha e o furacão da tumba se transformará na brisa primaveril de domingo de Páscoa. 
    Ali estão eles. Três pontos de ancoragem. Os pontos de ancoragem da cruz. 
    Oh, a propósito, o furacão Davi jamais chegou a Miami. Quando estava a trinta minutos do litoral, ele resolveu voltar-se para o norte. Os piores danos que meu barco sofreu foram as marcas de cordas infligidas pelo excesso de zelo da tripulação. 
    Espero que o seu furacão também não o atinja. Mas no caso de atingir, aceite o conselho do marinheiro: "Ancore fundo, ore e segure-se firme." E nNao se surpreenda se alguém caminhar por cima da água para lhe estender a mão. " 



Esse capítulo, mudou minha visão sobre o câncer que me abateu, e mudou minha perspectiva de Deus. Espero que aconteça o mesmo quando você ler. 


Livro: Seis horas de uma sexta-feira - Autor: Max Lucado.  
      












Postar um comentário